Español

SEMPRE CRISTINA

– DR. ANTONIO PERALTA SÁNCHEZ
MÉXICO

Na minha profissão de ginecologista e sexóloga por tantos anos, pude ver histórias desde a primeira página, o desfecho, o final e o epílogo; na maioria das vezes com a certeza de que pude contribuir com algum elemento que tranqüilizasse a vida, e com a gratificação de que desta profissão humanista sempre se pode ver o ser humano com a claridade de um céu de maio.

Há dois anos veio ao consultório uma paciente que não via há anos, lembrei-me dela por seu sorriso franco, a nitidez de seu olhar e porque sempre lia meus artigos, – segundo me conta – gostava dos de a série de “San Jeronimito” (uma sátira à política em uma cidade perdida em nosso país).

Assim que Camelia entrou, ela estremeceu em lágrimas que quase a impediram de falar, não conseguia juntar as palavras e, claro, demonstrava um sofrimento atroz.
“Há 20 anos você atendeu meu último parto, foi quando o Cristian nasceu, você lembra?

-Claro que me lembro de você!, mas a verdade é que não estou pensando em Cristian-, respondi honestamente, -mas não importa. O que está acontecendo? acalme-se e me diga

Com muito esforço e enxugando as lágrimas, ela me contou sua história em um piscar de olhos: “Cristian é o filho que estávamos esperando, para meu marido o fato de termos duas mulheres primeiro o fez sempre pensar na chegada de seu filho, ou seja, por que quando descobriu quem ia ser homem fazia festa a todo momento. Desde muito jovem descobri, mas não queria dar importância, que ele gostava muito de se vestir como as irmãs, e em mais de uma ocasião o vi querendo colocar a saia da irmãzinha; Achei que ele estava tentando se parecer com ela ou que achava as roupas femininas engraçadas. Com o tempo foram surgindo mais fatos que eu deveria ter levado em conta, como quando nas festas de Halloween eu gostava de ir a todas elas e sempre vestida de mulher, sabendo que era uma fantasia eu até o aplaudia; meu problema dr é que agora que ele terminou a faculdade de engenheiro eletrônico, ele me confessou algo que não entendo, o que me deixa muito infeliz”- As lágrimas não a deixaram continuar com seu discurso. Dei-lhe tempo convidando-a a respirar fundo, por fim ela acrescentou:
“Mãe, a partir de hoje não sou mais Cristian e quero que me chame de CRISTINA, porque estou convencida de que nasci no corpo errado, sou mulher em toda a minha essência e, portanto, daqui para frente vou viver como uma mulher” você me aceita? “Seu pai, que podia ouvir tudo, estava prestes a bater nele, atacando-o com palavras fortes que o fizeram defender imediatamente meu filho: -Eu o aceito porque o amo, se não, é melhor você ir !” Eu disse a ele com raiva e ressentimento por ver o ódio em seus olhos. De fato, alguns dias depois ele foi embora, dizendo que seria melhor procurar trabalho nos Estados Unidos e que mais tarde me enviaria dinheiro para seus filhos.”

Cristian é transexual e desde criança percebeu que tinha que lutar contra mil demônios, centenas de barrancos e milhares de rios caudalosos. A transexualidade é uma incongruência de gênero, ou seja, sentir-se no corpo errado; desde junho de 2018, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), deixou de ser uma doença mental, permanecendo como um transtorno devido à não adaptação de corpo e gênero que a pessoa sente; Essa inadequação requer suporte profissional para ressignificar corpo e gênero, o que implica viver o novo papel, tratamento hormonal e, por fim, tratamento cirúrgico. Expliquei a Camelia detalhadamente cada ponto e os caminhos que existem no México para acompanhar essas difíceis histórias de vida. Ela se acalmou e saiu pronta para a batalha.

Camelia voltou recentemente radiante de vitória, só para me contar todos os caminhos que ela percorreu.

“Cristina começou a trabalhar em uma grande empresa, e já estamos planejando para este ano uma vez que ela venda uma casinha que meu pai me deixou, para que operem no Canadá, ainda é difícil para mim, mas eu a amo como meu pai. outras filhas. Meu marido nos manda dinheiro, mas nunca pergunta sobre Cristina. A luta foi muito difícil porque para mudar o nome de seus documentos tivemos que chegar ao Supremo Tribunal de Justiça da Nação, e tirei forças até de pedras mas sempre estive com minha filha, e finalmente VENCEMOS, agora ela documentos estão em ordem, fica muito claro para mim que não há culpados, que faz parte da vida e que ela merece ser feliz. Estou disposto a continuar lutando porque a luta ainda não acabou, nossa família, o povo; mas o que importa se Mi Cristi está feliz e suas irmãs a adoram”.

Camelia foi embora e eu fiquei pensando na grandeza das mães que nunca abandonam seus filhos, que são capazes de nadar todos os mares para ver a felicidade no rosto de seus filhos. Os pais fariam o mesmo?

Author

flasog21

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.