MENSAGEM DO PRESIDENTE DO FLASOG 908 372 admin

MENSAGEM DO PRESIDENTE DO FLASOG

MENSAGEM DO PRESIDENTE DO FLASOG

Caros colegas da Gineco-Obstetrícia Latino-americana.
Mais um ano de dificuldades e incertezas está chegando ao fim. Inúmeras foram e são as dificuldades geradas pela pandemia de COVID-19, que apesar de todos os esforços e avanços, principalmente com o surgimento das vacinas, ainda deixa o mundo todo nervoso.
Todas as classes sociais sofreram seu impacto, principalmente as mais vulneráveis, as que foram arrastadas para a pobreza e os índices de indigência raramente vistos.
As taxas de mortalidade materna e perinatal aumentaram em muitos países da região e a violência contra as mulheres continua a aumentar, com números preocupantes de feminicídios.
Todas as nossas Instituições Médicas tiveram que se reinventar para continuar operando, tentando no caso da FLASOG, focar no fortalecimento dos laços com as Sociedades Federadas na busca por uma maior participação nas atividades e projetos de nossa Federação.
Esta Comissão Executiva, a que tenho a honra de presidir, deseja expressar o seu especial agradecimento às Sociedades Nacionais que apoiaram os apelos emanados da FLASOG, demonstrando um sentido de pertença e espírito empresarial, o que nos incentiva a continuar a trabalhar num esforço partilhado .
Temos consciência de que a chama da esperança continua acesa e que, apesar de todas as vicissitudes, o futuro nos encontrará unidos, redobrando nossos esforços e consolidando projetos.
A todos os que apoiam diariamente a nossa gestão, o nosso apreço e votos de paz, harmonia, saúde e amor pelas próximas férias.
Que todos encontremos em nossas famílias o refúgio e o antídoto para nos fortalecermos diante das dificuldades e que Deus encha nosso lar de felicidade.
FELIZ NATAL E UM BELO ANO 2022 PARA TODOS.

Dr. Nestor C. Garello
Presidente

CONVITE PARA O FLASOG 2023 908 372 admin

CONVITE PARA O FLASOG 2023

CONVITE PARA O FLASOG 2023 – DRA WENDY CARCAMO
Presidente da Sociedade de Ginecologia e Obstetrícia de Honduras

Caros colegas da América Latina, saúda Wendy Cárcamo, sou a presidente da Sociedade de Ginecologia e Obstetrícia de Honduras; Saúdo-vos em nome dos hondurenhos e especialmente de cada um dos membros da sociedade que represento com um propósito muito especial que é: convidá-los a fazer parte do evento científico mais importante de Ginecologia e Obstetrícia da América Latina, que acontecerá na região da América Central especificamente em Honduras, na cidade de San Pedro Sula.
A partir de agora, a FLASOG e cada um dos hondurenhos se preparam para oferecer a vocês um congresso do mais alto nível acadêmico onde cada um dos professores se compromete a fazer as apresentações com o que há de melhor em relação à saúde da mulher.
Você não pode perder a oportunidade de fazer parte e desfrutar da melhor convivência científica, das melhores atualizações sobre o assunto relacionado à saúde da mulher;
Além disso, poder desfrutar daquela camaradagem que só os latino-americanos podem oferecer … e algo muito interessante é que você poderá saborear a comida hondurenha e conhecer destinos turísticos exóticos que temos em nosso país.
Por isso, convido vocês, em nome da FLASOG e de cada um dos hondurenhos, a guardar a data e poder desfrutar do FLASOG 2023 no ano de 2023 em Honduras, meu país, o coração da América Latina.

POSICIONAMENTO DA COMISSÃO FLASOG DOS DIREITOS SEXUAIS E REPRODUTIVOS NA ERRADICAÇÃO DA VIOLÊNCIA CONTRA MULHERES E MENINAS 908 372 admin

POSICIONAMENTO DA COMISSÃO FLASOG DOS DIREITOS SEXUAIS E REPRODUTIVOS NA ERRADICAÇÃO DA VIOLÊNCIA CONTRA MULHERES E MENINAS

POSICIONAMENTO DA COMISSÃO FLASOG DOS DIREITOS SEXUAIS E REPRODUTIVOS NA ERRADICAÇÃO DA VIOLÊNCIA CONTRA MULHERES E MENINAS

Neste dia 25 de novembro, a FLASOG, por meio do comitê de direitos sexuais e reprodutivos, associa, promove e fortalece os acordos internacionais, a Declaração Universal dos Direitos Humanos das Nações Unidas e a Declaração para a Eliminação da Violência contra a Mulher. Visto que nosso objetivo é garantir o direito humano fundamental da mulher a viver uma vida livre de violência como uma Federação das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia que reúne seus especialistas, temos o compromisso de trabalhar pela proteção da mulher em todos os países. vida digna, bem-estar físico, mental e social e respeito pela autonomia da mulher em todas as fases da sua vida.

Comitê de Direitos Sexuais e Reprodutivos
FLASOG

FLASOG INFORMS 908 372 admin

FLASOG INFORMS

FLASOG INFORMS

Caros colegas latino-americanos,

Receba todas as nossas mais sinceras saudações e votos de boa sorte para a sua vida pessoal e profissional, bem como para as Sociedades Nacionais que lidera.

Acabamos de participar do Congresso FIGO 2021, sob a Presidência do Dr. Carlos Füchtner (Ex-Presidente da FLASOG) que completou um destacado mandato como Presidente da FIGO no período 2018-2021.

Muitas ginecologistas-obstetras de nosso continente participaram ativamente das atividades acadêmicas do grande evento mundial e a FLASOG teve duas atividades importantes: Simpósio: “Repercussões da pandemia COVID 19 na saúde das mulheres latino-americanas” e a Sessão: “Latino America Evening ”, bem como Stand Institucional Virtual.

Da mesma forma, é muito gratificante para a FLASOG informar que o Dr. Edgar Iván Ortiz, ex-presidente de nossa Federação foi eleito pela Assembleia da FIGO como Membro do Conselho de Curadores que representa a América Latina e que o México se junta ao Conselho que já fazem parte .: Brasil; Pimenta; Colômbia e Guatemala.

Desta forma e levando em consideração que a FLASOG, como Federação Aliada Regional da FIGO, também tem a possibilidade de participar das reuniões do Conselho por meio de seu Presidente Dr. Néstor Garello, uma sólida presença latino-americana se forma na FIGO, que sem dúvida redundará em benefícios para a nossa região.

Temos uma grande oportunidade de trabalharmos juntos pelos “Direitos de nossas mulheres” e pelo fortalecimento de nossas Sociedades Médicas. Unidos alcançaremos grandes objetivos.

Nós os saudamos com nossa mais distinta consideração e estima.

 

Dr. Miguel A. Mancera                                                                          Dr. Néstor C. Garello

Secretario                                                                                                Presidente

 

VACINAS DE COVID-19 NA GRAVIDEZ 908 372 admin

VACINAS DE COVID-19 NA GRAVIDEZ

VACINAS DE COVID-19 NAS
RECOMENDAÇÕES DE FLASOG DA GRAVIDEZ

 

Federação Latino-Americana de Sociedades de Obstetrícia e Ginecologia (FLASOG), instituição científica filiada à FIGO, Federação Mundial de Ginecologia e Obstetrícia com sede em Londres, e formada por médicos ginecologistas-obstetras de todos os países da América Latina e Caribe, que garante o saúde da mulher, em relação ao uso de vacinas em gestantes afirma o seguinte:

Que o impacto da crise de saúde global devido à pandemia COVID 19 tem sido muito prejudicial à saúde sexual e reprodutiva, e sua expressão mais óbvia é a mortalidade materna.

Que, na atualidade, não só parou o declínio das mortes maternas na América Latina e no Caribe, mas também registrou-se um aumento dos casos em vários países da região, aprofundando as desigualdades sociais (1) ; Em alguns países, mesmo os casos de morte materna aumentaram em 47%, sendo a principal causa, indiretamente, a COVID-19 (2) .

Que, até o momento, existem inúmeros estudos que mostram que há um risco maior de complicações maternas e fetais em gestantes com COVID-19 (3) , e em comparação com a população não obstétrica, são três vezes mais propensas a necessitar internação em unidade de terapia intensiva, 2,9 vezes mais chance de necessitar ventilação mecânica e 70% maior risco de mortalidade (4) .

Que medidas preventivas como lavagem das mãos, uso de máscaras e distanciamento social, embora reduzam significativamente o risco de contágio com COVID-19, não são suficientes (5) e na ausência de um tratamento eficiente e eficaz, esforços têm sido focados no desenvolvimento de vacinas (6) , RNA mensageiro, vetor de adenovírus e vírus inativado, que até o momento têm demonstrado eficácia e não devem estar associados a risco materno ou fetal (7) .

Segundo os primeiros relatos de vacinação em gestantes (8-10) , está indicada na vigilância da vacina de RNA mensageiro, (BioTech-Pfizer e Moderna), que inclui quase 36.000 gestantes vacinadas nos Estados Unidos, que a a incidência de reações adversas é a mesma da população em geral (dor no local da punção, fadiga, cefaléia e mialgia), que em relação às complicações fetais, a incidência de aborto espontâneo e morte fetal em gestantes vacinadas foi encontrada dentro de a porcentagem esperada na população em geral; Da mesma forma, complicações neonatais (parto prematuro, pequeno para a idade gestacional, abortos, natimorto) foram encontradas em percentual semelhante ao da população obstétrica geral (8) .

Que, além disso, em gestantes vacinadas, foram relatados diversos casos de transferência de anticorpos contra SARS-CoV2 pela placenta e pelo leite materno (11-13) , o que poderia potencialmente proteger o recém-nascido do COVID-19.

Nesse sentido, levando em consideração o aumento da morbimortalidade materno-fetal secundária ao COVID-19, a Federação Latino-Americana de Sociedades de Obstetrícia e Ginecologia (FLASOG) considera que a vacinação contra o COVID-19 deve ser incluída nas gestantes ou naquelas. quem está amamentando; da mesma forma, faz as seguintes recomendações (14-15) :

  1. Dar prioridade às mulheres grávidas ou lactantes no acesso à vacinação.
  2. Incentive as gestantes a se vacinarem voluntariamente contra o COVID-19.
  3. Fornecer aconselhamento adequado à gestante para tomada de decisão informada, incluindo o nível de atividade do vírus em sua comunidade, risco e potencial gravidade da doença materna devido ao COVID-19, a eficácia da vacina, segurança na gravidez, efeitos colaterais esperados de vacinação.
  4. Não limite a vacinação a um trimestre de gestação específico.
  5. Dê um tempo de separação de pelo menos 14 dias com a vacina tripla (Tdap) e Influenza.
  6. Monitorar a vacinação contra COVID 19 em gestantes pelo respectivo profissional de saúde.
  7. Não atrase ou interrompa a gravidez devido à vacinação.
  8. Não suspenda a amamentação devido à vacinação contra COVID 19.
  9. Não fazer teste de gravidez como requisito para vacinação contra COVID 19.
  10. Realizar estudos de acompanhamento de gestantes vacinadas e seus filhos, em nome das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia.
  11. Caso as gestantes recusem a vacina contra COVID 19, serão informadas sobre os riscos que isso implica e serão enfatizadas as demais medidas de prevenção.

O FLASOG recomenda a prioridade da vacinação das gestantes, de forma voluntária e informada, com base no conceito de risco-benefício, e para ajudar a prevenir a morbimortalidade materna na América Latina e no Caribe.

COMITÊ EXECUTIVO FLASOG

Referências 

(1)         Consenso Estratégico Interinstitucional para a Redução da Morbidade e Mortalidade Materna: Orientações Estratégicas para a década 2020-2030. Grupo de Trabalho Regional para a Redução da Mortalidade Materna (GTR), 2021.
(2) Centro Nacional de Epidemiologia, Prevenção e Controle de Doenças. Ministério da Saúde do Peru. Mortalidade Materna 2020 https://www.dge.gob.pe/epipublic/uploads/boletin/boletin_202053.pdf
(3) Villar J, Ariff S, Gunier RB, et al. Morbidade e mortalidade materna e neonatal entre mulheres grávidas com e sem infecção por COVID-19: The INTERCOVID Multinational Chort Study. JAMA Pediatr. Publicado online em 22 de abril de 2021.doi: 10.1001 / jamapediatrics.2021.1050
(4) Zambrano L., Ellington S, Strid P et al. Atualização: Características de mulheres sintomáticas em idade reprodutiva com infecção por SARS CoV-2 confirmada em laboratório por estados de gravidez, 22 de janeiro a 3 de outubro de 2020. Semanalmente, 6 de novembro de 2020/69; 1641-1647 MMWR
(5) Lerner AM, Folkers GK, Fauci AS.Ppreventing the Spread of SARS-CoV-2 com máscaras e outras intervenções de “baixa tecnologia”. Jama. 2020; 324 (19): 1935-1936.doi: 10.1001 / jama2020.21946
(6) Lyu WW, Wehby GL. Uso comunitário de máscaras faciais e COVID-19: evidências de uma experiência natural de mandatos estaduais nos assuntos de saúde dos EUA (Projeto Esperança) .2020; 39 (8). https://doi.org/10.1377/hlthaff.2020.00818
(7) Kalafat E, O’Brien P, Health PT, et al. Benefícios e danos potenciais da vacinação com COVID-19 durante a gravidez resumo de evidências para aconselhamento de pacientes. Ultrasound Obstet Gynecol.2021 May; 57 (5): 681-686.doi: 10.1002 / uog.23631.PMID: 33734524
(8) Shimabukuru T, Kim S et al. Descobertas preliminares da segurança da vacina de mRNA Covid-19 em pessoas grávidas. NEJM Abril 21,20021.doi: 10.1056 / MEJMoa2104983
(9) Collier AY, McMahan K, Yu J, et al. Imunogenicidade de vacinas de mRNA de COVID-19 em mulheres grávidas e lactantes. JAMA. Publicado online em 13 de maio de 2021.doi: 10,1001 / jama.2021.7563
(10) Macho V, As vacinas COVID-19 são seguras na gravidez? Nat Rev Immunolo 21. 200-201 (2021). https://doi.org/10.1038/s41577-021-00525-y
(11) Perl SU-Y, Klainer A, Asiskovich H, et al. Anticorpos específicos para SARS-CoV-2 no leite materno após vacinação com COVID-19 de mulheres amamentando JAMA.2021; 325 (19)
(12) Mithal LB, Otero S, Shanes ED, et al. Anticorpos do sangue do cordão umbilical após vacinação com doença coronavírus materna em 2019 durante a gravidez. Am J Obstet Gynecol.2021 1 de abril: S0002-9378 (21) 00215-5.doi: 10.1006 / j.ajog.2021.03.035.Epub ahead of print.PMID: 33812808: PMC8012273
(13) Gray KB, Bordt EA, Atyeo, C et al. Resposta à vacina COVID-19 em mulheres grávidas e lactantes: um estudo de coorte. MedRxiv 2021 03.07.21253094; doi: https: //doi.org/10.1101/ 2021.03.07.2153094
(14) FIGO. Vacinação contra COVID-19 para mulheres grávidas e lactantes / FIGO 2021 https://www.figo.org/es/vacunacion-contra-la-covid-19-para-mujeres-embarazadas-y-lactantes
(15) ACOG. Vacinação de pacientes grávidas e lactantes contra COVID-19 de 28 de abril de 2021.

Resenha: Dr. José Douglas Jarquín González 908 372 admin

Resenha: Dr. José Douglas Jarquín González

RESENHA:  DR. JOSÉ DOUGLAS JARQUÍN GONZÁLEZ

Um bom médico deve ter certas características, como uma verdadeira vocação, possuir certas habilidades inerentes à sua profissão, boa comunicação e uma especial dedicação ao trabalho entre outras coisas, Douglas Jarquín, além de tudo isso, possuía empatia, respeito e bom trato para com com seus pacientes; crítico e pró-ativo com os colegas, quando deve. Como Profissional, foi um trabalhador incansável, investigador e professor, que colocou todas as suas energias intelectuais para alcançar os resultados propostos, motivava constantemente os seus alunos, colegas e subordinados, para que todos se sentissem parte de cada projecto realizado.

Apesar de ser um cirurgião obstetra-ginecologista habilidoso, preferiu sair da sala de cirurgia e se dedicar à Saúde Pública Materno-Infantil, além da pesquisa clínica e operacional. Treinamento que realizo no Centro Latino-Americano de Perinatologia (CLAP) em Montevidéu, Uruguai.

A nível sindical, nasceu dirigente da Associação de Ginecologia, participando em projetos de Saúde Reprodutiva, dando formação em todo o país, com bons resultados. Nas pesquisas, ele ia às comunidades, ver de perto suas necessidades, revisar com os operários as dificuldades que tinham e dar-lhes apoio para superá-las.

Ao nível do Ministério da Saúde, participei como investigador principal, na concretização da Linha de Base da Mortalidade Materna, implementando acções a nível do País, como a formação no local de trabalho, realização de workshops com o pessoal envolvido, de forma a reduzir Morbidade e mortalidade materna em El Salvador. Também funcionou de forma unificada como ASOGOES; com a Western Gynecology Association (AGOSA) e a Eastern Gynecology Association (AGOO), realizando sessões de educação continuada com eles.

Participou da reativação da Federação Centro-Americana de Ginecologia (FECASOG) em 1995, e do Comitê de Pesquisa do COMIN-FECASOG, sendo seu Coordenador (2004 a 2016), realizando várias investigações na Área Centro-americana, incluindo o Estudo de Morbidade Materna Extreme na Região Centro-americana, premiado como Melhor Trabalho Científico na Área Obstétrica, no Congresso Latino-Americano de Ginecologia e Obstetrícia, em 2008 na cidade de Mendoza, Argentina.

Ele foi mestre em Ginecologia e Obstetrícia da América Latina e da América Latina. Ele representou nosso país em múltiplas ocasiões, levantando o nome de El Salvador, da Região da América Central, bem como da América Latina como Coordenador do Comitê de Mortalidade Materna da FLASOG.

Como pessoa, foi um excelente marido, pai, avô e amigo, sempre pronto a apoiar nos momentos difíceis e também nos bons. Sua família era sua prioridade, sendo um exemplo de trabalho e dedicação para seus filhos e netos.

Descanse em paz nosso amigo Dr. José Douglas Jarquín González.

Diagnóstico de habilidades de gestão 908 372 admin

Diagnóstico de habilidades de gestão

DIAGNÓSTICO DE HABILIDADES DE GESTÃO

É com grande satisfação que vos cumprimentamos e informamos que no âmbito das actividades planeadas pela Comissão de Desenvolvimento de Gestão, temos vindo a trabalhar para concretizar este diagnóstico de forma a consolidar para o futuro uma maior profissionalização dos Administradores das nossas Empresas que compõem o FLASOG.

Nesse sentido, definimos as competências que consideramos as mais importantes a serem desenvolvidas por quem aspira e que então deve exercer um cargo de Gestão nas suas diversas funções.

Solicitamos a opinião dos especialistas e eles nos trouxeram um formulário para podermos fazer uma autoavaliação dessas competências, que não terá qualquer tipo de custo para quem a realiza.

Para acessar este material você deve “clicar” neste link ou copiar e colar em seu navegador:  https://bit.ly/2xM1xox

No final poderá enviar e no prazo máximo de 48 horas receberá um feedback dos seus resultados de forma privada no seu email.

Depois disso, cada um poderá selecionar as competências que pode reforçar em seus conhecimentos de forma pessoal.

Qualquer dúvida ou consulta estamos ao seu serviço

Dr. Néstor Garello
Presidente Eleito Comitê de Desenvolvimento Executivo do Coordenador do FLASOG

FLASOG NA FACE DA PANDÊMICA COVID-19 908 372 admin

FLASOG NA FACE DA PANDÊMICA COVID-19

COMITÊ EXECUTIVO DA FEDERAÇÃO LATINO-AMERICANA DE SOCIEDADES DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA (FLASOG)
NA FACE DA COVID -19 PANDEMIC – COMITÊ EXECUTIVO DA FLASOG

COVID-19 (Coronavírus) é um patógeno com alta velocidade de contágio devido ao seu fator reprodutivo, não é SARS ou influenza, e está se espalhando rapidamente em todo o mundo, causando impactos consideráveis ​​na saúde, econômica e socialmente em nível global.

Até agora, os homens parecem ser mais afetados do que as mulheres e os dados disponíveis sobre o COVID-19 durante a gravidez são limitados.

Com base nas evidências atuais, as mulheres grávidas não parecem ter maior risco de infecção por esse vírus ou de sintomas mais graves do que a população em geral. Até hoje, nenhuma morte foi relatada em mulheres grávidas e não há evidências de transmissão vertical para o feto durante a gravidez.

Estamos cientes de que historicamente, em outras epidemias de vírus respiratórios, as gestantes têm sido afetadas de forma desproporcional por doenças respiratórias graves, com maior taxa de mortalidade, internação em UTI e outras doenças infecciosas associadas, em comparação com a população não gestante.

Por esse motivo, o FLASOG recomenda aos obstetras-ginecologistas e outros profissionais de saúde da América Latina que prestem muita atenção à saúde e ao bem-estar das mulheres grávidas e destacem quaisquer sintomas de febre, tosse seca ou dificuldade respiratória, tentando garantir o atendimento oportuno e diagnósticos e terapias adequadas, seguindo as recomendações da OPAS / OMS sobre biossegurança para evitar o contágio de casos suspeitos ou portadores de infecção por COVID-19.

É obrigatório obter um histórico detalhado de viagens e contato com pessoas infectadas ou com risco de infecção que vêm de países de alto risco, bem como levar em consideração a história epidemiológica da gestante com febre e doença respiratória aguda, tomar as medidas pertinentes para promover sua saúde. É imprescindível, nestes casos, notificar a equipe de controle de infecção da instituição de saúde correspondente.

Para mantê-los atualizados para garantir e oferecer o melhor às nossas pacientes durante a gestação, o parto e o puerpério, visto que as evidências vão mudando com o tempo, a FLASOG está atenta às publicações científicas e aos protocolos de manejo emitidos pela OMS e vai compartilhar novas informações assim que publicadas, através de um portal dedicado que criamos no nosso site.

Por fim, os convidamos a estar mais unidos do que nunca, a vencer este flagelo que põe em risco a humanidade e a continuar a contribuir com o melhor de cada um nestes momentos de crise.

Mensagem de boas vindas: 1ª Cúpula Ibero-americana de Contracepção, Saúde Sexual e Reprodutiva 908 372 admin

Mensagem de boas vindas: 1ª Cúpula Ibero-americana de Contracepção, Saúde Sexual e Reprodutiva

MENSAGEM DE BOAS VINDAS: 1ª CÚPULA IBERO-AMERICANA DE CONTRACEPÇÃO, SAÚDE SEXUAL E REPRODUTIVA
– FLASOG

Distintas personalidades da mesa de honra.
Amigos e amigos, todos.

Agradeço calorosamente a oportunidade que o Comitê Organizador da Primeira Cúpula Ibero-Americana sobre Contracepção, Saúde Sexual e Reprodutiva, pelo pedido que me fizeram, para dirigir algumas palavras nesta cerimônia de abertura.

Desejo que sejam, naturalmente, palavras de saudação e acolhimento que reflitam os sentimentos de amizade que caracterizam a nossa grande família ibero-americana. Em primeiro lugar, agradecemos às nossas ilustres personalidades na mesa de honra pelo seu apoio irrestrito e pela distinção da sua presença nesta cerimónia. Obrigado aos convidados especiais e aos professores estrangeiros e mexicanos. É um traço exemplar de desprendimento e companheirismo, eles não hesitaram em se afastar de seu enorme trabalho para compartilhar entre nós as preocupações do conhecimento e nos dar seu conhecimento científico. Nosso reconhecimento por eles não tem limites, assim como a consideração que temos por eles.

Apesar desses avanços, na Conferência Mundial sobre Direitos Humanos, realizada em Viena em 1993, foi necessário insistir que os direitos das mulheres e meninas constituem direitos humanos inalienáveis. A contribuição dessas conferências foi o reconhecimento de novos direitos, como os direitos sexuais e reprodutivos e, principalmente, o enriquecimento da estratégia de implementação de ações afirmativas em relação à marcha pela igualdade de gênero. Entre os principais componentes da abordagem baseada em direitos estão: igualdade e equidade de gênero, direitos sexuais e reprodutivos e atenção à saúde sexual e reprodutiva.

O objetivo fundamental dessa abordagem é transformar a linguagem dos direitos em melhorias reais na qualidade de vida das pessoas e, sob um ponto de vista, transformá-las em ações cotidianas. O mundo deve reagir que na medicina nem tudo é biologia, fisiologia, tecnologia, modernidade e novidade, mas é imprescindível considerar suas raízes humanitárias, principalmente as da reprodução humana onde o pessoal de saúde desempenha um papel fundamental como sujeito facilitador, fomentador do corpo docente do paciente para o exercício de seus direitos sexuais e reprodutivos, destacando-se o direito à informação e educação.

Convém, portanto, revisar, esquecendo nossos velhos preconceitos, todos os fatos isolados, as lendas, tradições e velhas doutrinas que têm sustentado a realidade desta enteléquia, apesar do ceticismo paralisante de muitos cientistas. Simplesmente insistimos em chamar a atenção para preocupações renovadas, não mais esotéricas ou primitivas, mas baseadas em avanços recentes da ciência experimental e respaldadas por um raciocínio rigoroso e equânime. Com tais premissas, busca-se a verificação objetiva e rigorosamente científica desse lendário princípio. Formulamos uma invocação para que, quando isso seja alcançado, o alvorecer de um futuro propício guie a evolução da medicina pelos caminhos ainda ocultos do aperfeiçoamento humano.

Caros congressistas, o mundo está cada vez mais farto de desconfiança e medo, às vezes beiramos a angústia. Cabe a nós contribuir para a erradicação desses males, servir à causa da compreensão humana e lutar para garantir a paz. Aquela paz que não é cartaz de ninguém, porque é a bandeira de todos, não importa a cor, o país ou a religião. Somos indivíduos de carne e osso e esperança, que se unem para o avanço de nossa ciência, mas com um propósito supremo, o de melhor ajudar os seres humanos.

Amigos, todos nós, nos apresentamos sem máscara e sem fingir que colocamos óculos falsos diante de seus olhos. Somos um país latino, mais do que pela origem, pelo temperamento, pela inclinação do espírito, um povo de sensibilidade artística, para o qual a promessa de um belo sonho costuma ser mais verdadeira do que a dura realidade objetiva. Bem-vindo à casa mexicana.

Dr. Samuel Karchmer, julho de 2019

Sempre Cristina 908 372 admin

Sempre Cristina

SEMPRE CRISTINA
– DR. ANTONIO PERALTA SÁNCHEZ
MÉXICO

Na minha profissão de Ginecologista e Sexologista há tantos anos, pude ver histórias desde a primeira página, o desenlace, o final e o epílogo; Na maioria das vezes, com a certeza de que pude contribuir com algum elemento que tornasse a vida tranquila, e com a gratificação de que desta profissão humanista sempre se pode ver o ser humano com a clareza de um céu de maio.

Há dois anos veio ao consultório uma paciente que não via há anos, lembrava-me dela pelo seu sorriso franco, pela agudeza do seu olhar e porque sempre lia os meus artigos, -como me conta- gostava dos da série de “San Jeronimito” (uma sátira da política em uma cidade perdida em nossa pátria).

Assim que Camélia entrou, estremeceu num choro que quase a impediu de falar, não conseguia tecer as palavras e claro que apresentava um sofrimento atroz.
“Há 20 anos você me tratou no último parto, foi quando o Cristian nasceu, lembra?

“Claro que me lembro de você! Mas a verdade é que não tenho o Cristian em mente”, respondi com sinceridade, “mas não importa.” O que está acontecendo? acalme-se e me diga

Com muito esforço e enxugando as lágrimas, ela me contou sua história de um girón: “Cristian é a criança que esperávamos, para meu marido o fato de termos duas mulheres primeiro o fazia pensar sempre na chegada de seu filho, isto é porque quando ele descobriu que ia ser um homem, ele fez uma festa a cada momento que podia. Desde muito jovem descobri, mas não quis dar importância, que ele gostava de se vestir como as irmãs, e em mais de uma ocasião o vi querendo vestir a saia da irmãzinha; Achei que ele estava tentando se parecer com ela ou que se divertia com roupas femininas. Com o passar do tempo, foram surgindo mais fatos que eu deveria ter levado em conta, como quando nas festas de Halloween eu gostava de ir a todas elas e sempre me vestia de mulher, sabendo que era uma fantasia que até aplaudia; meu problema Dr. é que agora que terminou a faculdade de Engenheiro Eletrônico ele me confessou algo que não entendo, que me deixa muito infeliz ”- As lágrimas não a deixaram continuar com seu discurso. Dei-lhe tempo convidando-a a respirar fundo e, finalmente, ela acrescentou:
“Mãe a partir de hoje deixo de ser Cristian e quero que me chames de CRISTINA, porque tenho a convicção de que nasci no corpo errado, sou uma mulher em toda a minha essência e portanto a partir de agora viverei como mulher” você me aceita? “Seu pai, que ouviu de tudo, estava prestes a bater nele, atacando-o com palavras fortes que o fizeram imediatamente defender meu filho: -Eu aceito porque eu o amo, se não, é melhor você ir! raiva e ressentimento ao ver o ódio em seus olhos. Na verdade, depois de alguns dias, ele saiu, dizendo que seria melhor procurar trabalho nos Estados Unidos e que depois me mandaria dinheiro para seus filhos ”.

Cristian é um transexual e desde criança percebeu que tinha que lutar contra mil demônios, centenas de ravinas e milhares de rios caudalosos. A transexualidade é uma incongruência de gênero, isto é, sentir-se no corpo errado; Desde junho de 2018, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), deixou de ser uma doença mental, permanecendo como um transtorno devido à falta de adaptação do corpo e do gênero que a pessoa sente; Essa inadequação requer apoio profissional para reatribuir corpo e gênero, o que implica viver o novo papel, tratamento hormonal e por fim tratamento cirúrgico. Expliquei a Camelia em detalhes cada ponto e os caminhos que existem no México para acompanhar essas difíceis histórias de vida. Ela se acalmou e saiu pronta para lutar.

Camelia voltou recentemente radiante de vitória, apenas para me contar todos os caminhos que ela percorreu.

“Cristina acabou de começar a trabalhar em uma grande empresa, e já planejamos para este ano quando ela vender uma casa que meu pai me deixou para operar no Canadá, ainda estou passando por maus bocados, mas a amo como minhas outras filhas. Meu marido manda dinheiro, mas nunca pergunta por Cristina. A luta foi muito difícil porque para mudar o nome dos documentos dela tínhamos que chegar ao Supremo Tribunal de Justiça da Nação, e eu tirei força até das pedras mas estava sempre com minha filha, e finalmente GANHAMOS, agora com os documentos dela Estão em ordem, é muito claro para mim que não há culpados, que faz parte da vida e que ela merece ser feliz. Estou disposto a continuar lutando porque a luta ainda não acabou, nossa família, o povo; mas que importa se Mi Cristi está feliz e suas irmãs a adoram ”.

Camélia foi embora e eu fiquei pensando na grandeza das mães que nunca deixam os filhos, que são capazes de nadar todos os mares para ver a felicidade no rosto dos filhos. Os pais fariam o mesmo?