Español

AUTONOMIA DA MULHER UMA QUESTÃO DE DIREITOS HUMANOS

– PÍO IVÁN GÓMEZ SÁNCHEZ MD, MSC, FACOG
PROFESSOR PLENO UNIVERSIDADE NACIONAL DA COLÔMBIA
CONSELHEIRO MÉDICO SÊNIOR IPPF/WHR

Nossa região, na qual mais de 20 milhões de mulheres têm demanda não atendida por contracepção, tem algumas das leis de aborto mais restritivas do mundo e 95% dos abortos são inseguros, levando à morbidade e mortalidade materna. A pesquisa mostrou que países sem barreiras à contracepção, educação sexual e acesso legal ao aborto reduziram substancialmente as taxas de mortalidade materna e infantil e têm a menor taxa de abortos induzidos.

Nós que trabalhamos há vários anos em Saúde Sexual e Reprodutiva temos participado de inúmeros congressos, fóruns, comitês, etc., voltados para a redução da mortalidade materna e hoje, se contrastarmos com a realidade do momento, estamos sobrecarregados por uma sentimento de impotência, nos angustia a iniquidade, a negligência e a injustiça social e é quando as palavras do ex-presidente da Federação Internacional de Obstetrícia e Ginecologia (FIGO) Professor Mahmould Fathalla se tornam mais válidas: “As mulheres não estão morrendo de causas que nós não podem evitar… eles estão morrendo porque a sociedade considera que suas vidas não valem o preço de salvá-los”.

A mortalidade materna é apenas a ponta visível de um grande iceberg que representa um problema muito mais complexo. Como profissionais de saúde, levamos muito tempo para compreender esse fenômeno dentro de um contexto mais amplo de direitos humanos e mudança social. Estamos comprometidos em combater atitudes injustas e desiguais sobre o valor das vidas humanas, particularmente as vidas das mulheres. É uma luta em que as mulheres são as vítimas, mas também podem ser protagonistas para fazer a mudança.

Agora entendemos melhor a questão da morbimortalidade materna nesse contexto mais global e entendemos que fazemos parte de uma luta mais ampla, que precisa de novas perspectivas para problemas que nos afligem há muito tempo, como a mortalidade materna. Como profissionais de saúde, endossamos as recomendações internacionais e entendemos a saúde como um direito social que se expressa nas várias obrigações que os Estados devem cumprir de acordo com as convenções, protocolos e declarações internacionais que assinaram. A abordagem atual da saúde é baseada nos direitos humanos, reconhecendo que as pessoas são titulares de direitos, o que implica que existem outras pessoas obrigadas a garantir sua validade: os governos devem ser garantidores de direitos,

Os direitos sexuais e os direitos reprodutivos das pessoas são baseados na Declaração Universal dos Direitos Humanos de 1948, a titularidade desses direitos indica que toda pessoa possui direitos naturais que devem ser reconhecidos, respeitados e garantidos pelos governos de forma obrigatória. Na esfera internacional, os diversos acordos alcançados sobre direitos humanos têm uma hierarquia superior à legislação nacional. O que está estabelecido no direito internacional torna-se obrigação dos Estados para com os cidadãos e é dever dos países garantir seu efetivo cumprimento.

A Organização Mundial da Saúde propôs os conceitos de Saúde Sexual e Reprodutiva, que foram aprovados na Conferência Internacional sobre População e Desenvolvimento, Cairo, 1994 e ratificados na Quarta Conferência Mundial sobre a Mulher, Pequim, 1995. O conceito de Saúde Sexual e Reprodutiva é centrado nas pessoas, homens e mulheres, como sujeitos ativos no exercício de seus direitos sexuais e reprodutivos, participando da conquista de uma melhor qualidade de vida pessoal, de seus parceiros, de sua família e da sociedade em geral.

A saúde materna, neonatal e infantil são questões de grande relevância para as sociedades e constituem o centro do direito à saúde. Por mais de um século, as políticas de saúde no mundo privilegiaram a maternidade segura e a sobrevivência infantil.

A saúde materna é atualmente considerada um direito humano e as mortes maternas uma grave violação dos direitos humanos das mulheres. Nesse contexto, é obrigação dos governos proteger os direitos das mulheres à vida, à saúde e à igualdade.

Pelo exposto, é incompreensível que em pleno século XXI haja um debate sobre se a mulher pode ou não interromper legalmente uma gravidez. Infelizmente, às vezes, ele se concentra apenas no aborto na falsa dicotomia de “pró-vida” (anti-direitos) versus “pró-escolha” (pró-direitos). Ninguém é contra a vida, todos somos a favor da vida, mas de uma vida digna, com qualidade e com possibilidade de escolhas.

Nascemos com uma série de direitos que o Estado não nos concede, mas tem que reconhecê-los, constituindo esses direitos nos limites do exercício do poder político.

Com o trabalho inacabado sobre os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, estamos agora embarcando no Desenvolvimento Sustentável, cujo conceito foi definido em 1988 pela Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento como: desenvolvimento que atende às necessidades da geração atual sem comprometer a capacidade das gerações futuras de atender às suas próprias necessidades.

A Agenda de Desenvolvimento Pós-2015 estabelece 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. O quinto é alcançar a igualdade de gênero e o empoderamento de todas as mulheres e meninas e, assim, garantir o acesso universal à saúde sexual e reprodutiva no âmbito dos direitos sexuais e direitos reprodutivos de acordo com o Programa de Ação da Conferência Internacional sobre População e Desenvolvimento , a Plataforma de Ação de Pequim e os documentos resultantes de suas conferências de acompanhamento.

Monique Witting escreveu: “As mulheres, embora extremamente visíveis como seres sexuais, permanecem invisíveis como seres sociais”, é hora de nossa sociedade se conscientizar dos direitos e autonomia das mulheres para decidir sobre seus corpos, para ser uma realidade em todas as nossas países sem exceção”.

Author

flasog21

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.